sábado, 26 de dezembro de 2009

O Pessimismo Segundo Quem perdeu as asas!


A bomba estoura, não importa quantos panos você encubra... Uma dinamite sempre será uma Dinamite!
È tudo uma questão de química... Nitroglicerina pura! E ai meu irmão! Quando o negocio explode, você vê até as tripas dançarem!
E assim que as tripas dançam, é impossível ter o corpo limpo de novo!
Você pode contar um, você pode contar dois, pode contar até três. Mas nada volta! E o seu corpo ainda continua ensebado de sangue. Então você lava, mas ainda sente aquele cheiro, ainda imagina as células vermelhas cobrindo tudo... Droga! Você imagina... E fica imaginando toda aquele sangue coagulando seu corpo.

Então me diz qual é o seu discurso de otimismo pra isso?

O lance é que você não pode chorar porque sua mulher foi embora! Ou por abrir a tampa da latrina e encontrar um monte de fetos mal desenvolvidos boiando igual merda na privada... São apenas alguns filhos que não deram certo, certo?
Abortos incondicionais de alguma coisa que apodrece no seu braço e não tem como amputar!

È tudo uma questão de gordura! O negócio é sentar a bunda numa poltrona velha e assistir a merda de um filme tosco comendo feito uma vaca..
Quanto mais gordura mais fetos nascem no seu braço. Mas quem liga com um pedaço de carne morta, quando se tem metros e metros de carne nova ampliando em baixo da epiderme! È lógica pura!!!

Então me diz qual é o seu discurso de otimismo pra isso?

Todo dia um pássaro é morto por linhas embedidas em cerol...Todo dia aquelas mesmas asas permanecem quebradas, incapaz de voar! Incapaz de simplesmente voar!

Qual é o seu discurso de otimismo dessa vez?
Qual é o maldito discurso de otimismo que ainda faz com que você minta para os fatos?

3 comentários:

Luiza Callafange disse...

Tá bom, não tenho discurso de otimismo para tudo...Mas não quero que o pessimismo vença de maneira alguma. E tento fazer a minha parte, na medida do possível. E você? E ele? E ela? E eles todos?
Esse é o problema.

Cleber Vaz disse...

Isso foi lindo, parabéns .... Vou te dar uma camisa escrita “Pessimismo aqui não!”. Mas o texto não trata de eleger que sentimento é melhor. Acho que sentimento precisa ser sentido. È pra isso que escrevo, conceituando a mensagem que existem coisas ruins assim como existem coisas boas. E que as vezes as coisas ruins (como o pessimismo) as vezes nos trazem uma noção de vida quando superados, sentidos e trilhados. Assim como o otimismo sem vinculo com a realidade se torna Bobo e ridículo. Quem for capaz de rotular qualquer sentimento como ruim é porque nunca sentiu! O fato é que esse tipo de demagogia não cola!

Luciane disse...

A melhor resposta para este tema é algo que li numa velha agenda. Não sei bem de é de nosso recém falecido Benedetti ou de outro de igual calibre também falecido - um pessimista é um otimista bem informado - não consigo sorrir pra miséria quando ela é feita pra alguns, nem pra dor quando ela é fardo dos pequenos. Talvez o exercício de pendurar na pauta as vísceras que doem dentro da gente é sinal de que de alguma forma queremos dizer que queremos matar o que é velho em nós. A dor é um sentimento bom que nos faz catar provisões pra bancar a melhor mesa pra alguém fora de nós mesmos. Isso já ultrapassa o pessimismo arraigado e o otimismo fútil. Belo texto amigo.